Nova resolução do Conselho Federal de Psicologia regulamenta terapias online

A partir do dia 10 de novembro, os tratamentos psicológicos estarão a um clique de distância dos pacientes. Afinal, a nova resolução do Conselho Federal de Psicologia (resolução 11/2018) permite fazer terapia de forma online e em tempo real. As orientações já eram permitidas por lei desde 2012, mas eram limitadas a apenas 20 sessões por paciente e de maneira restritiva, abordando somente algumas modalidades.

Entre os benefícios, os acompanhamentos psicológicos online possibilitam a otimização da rotina corrida das pessoas, já que evitam o deslocamento até o consultório do profissional, assim como permitem que as consultas sejam agendadas fora do horário de expediente. Esse fator, inclusive, foi o que mais pesou para a empresária Fernanda Leite Alonso na decisão de migrar do consultório para web.

“Viajo bastante por conta do meu emprego, então perdia meus horários nos encontros presenciais. Quando descobri que tinha a possibilidade de ‘levar’ minha psicóloga comigo para qualquer lugar, por meio da plataforma de telessaúde, imediatamente optei pelo atendimento a distância”, conta. Fernanda ainda avalia que o tratamento é eficaz tanto quanto o tradicional. “Quando vejo a psicóloga, a interação é a mesma do presencial, até com a vantagem de ficar bem mais à vontade, já que o consultório, agora, é onde eu me sentir mais confortável.”

Para a psicóloga e mestre em desenvolvimento humano Luciene Bandeira, a tecnologia torna-se cada vez mais aliada aos tratamentos de saúde mental. “A psicologia estuda o comportamento humano e não poderia ficar de fora de um ambiente que se tornou parte da vida das pessoas. O modelo original de atendimento em consultório, muitas vezes, torna-se inviável ou inacessível para algumas situações”, afirma a profissional.

Entre os principais benefícios de se optar por terapias online estão a disponibilidade de profissionais capacitados 24h, durante todos os dias da semana, incluindo feriados e finais de semana, o custo mais acessível e a possibilidade de oferecer atendimento a pacientes de cidades pequenas, onde ainda não há profissionais atuando. “A modalidade também é útil para brasileiros que estão fora do país, precisam de atendimento e preferem recebê-lo em sua língua materna”, orienta a psicóloga.

Uma norma que se manteve com a nova resolução é a proibição de atendimentos em situações de urgência, como em acidentes ou desastres, e de emergência, como violência ou abuso.

Com 2.500 psicólogos cadastrados, a Psicologia Viva, plataforma de telessaúde que oferece atendimentos online, está no mercado há três anos e comprova em números a forte adesão da modalidade. Entre 2017 e 2018, a startup teve um aumento de 650% no número de visitantes e a taxa de acesso já chega a quase 150 mil por mês. “Criamos um sistema digital com a intenção de ajudar aqueles que querem e necessitam de um atendimento, mas não conseguem realizar a terapia porque pesa no bolso ou por não ter disponibilidade de tempo”, diz Fabiano Carrijo, CEO da Psicologia Viva no Brasil.

Além dos atendimentos psicológicos online, a plataforma de telessaúde oferece um serviço de desenvolvimento de competências comportamentais para médias e grandes empresas, ao fim de auxiliar o estabelecimento de ambientes saudáveis e produtivos. “É importante cuidar da saúde mental tanto para a vida social como para a profissional, pois temos relações interpessoais em todos os pontos de contato”, ressalta Carrijo.

Com o sucesso, a Psicologia Viva já ampliou os serviços para toda a América Latina e Espanha, além de criar uma sede no Chile.

Fonte: Saúde Business - 05/11/2018


Veja mais notícias acerca do assunto:
Instituto PENSI implanta projeto de Telessaúde em Oncologia Pediátrica em oito municípios do Amazonas
Fiocruz terá curso de capacitação em telessaúde


Data da notícia: 06/11/2018