A importância da gestão da saúde no dia a dia corporativo

Questões de saúde como doenças cardiovasculares, sedentarismo e tabagismo, bem como os transtornos mentais, cada vez mais têm exercido impacto econômico sobre as sociedades, o que inclui também as famílias e o ambiente corporativo. Neste último, doenças mentais como depressão, alcoolismo e esquizofrenia estão dentre as principais causas de afastamento no Brasil, de acordo com estudo desenvolvido pela Universidade de Brasília (UnB). A Organização Mundial da Saúde (OMS) ainda acrescenta que 40% da população mundial sofre de algum tipo de transtorno psíquico, sendo eles a segunda maior causa de perda de produtividade nas empresas.

Atenta a esse quadro, a Omint desenvolveu e aplica, desde 2016, o Programa de Saúde Emocional nas companhias parceiras. “Utilizamos uma ótica ampla, com base no conceito da própria OMS que saúde é um conjunto de atributos físicos, mentais e sociais. Com base nisso, identificamos casos que necessitam de acompanhamento específico”, explica o diretor Médico Técnico da Omint, Dr. Marcos Loreto. “Buscamos desmistificar a saúde mental nos ambientes de trabalho, mostrando o quanto ela gera um impacto direto na produtividade”.

“Atualmente, estamos com 80 colaboradores participando do Programa Saúde Emocional, e os impactos têm sido positivos: em 2017, tivemos 85% de frequência, com redução de 38% do nível de estresse”, comenta Dr. Loreto.

Screening – Além da saúde mental, a Omint realiza o mapeamento do perfil da saúde dos colaboradores, o screening. “Esse levantamento é fundamental para verificarmos as principais queixas de saúde. Além de atenuarmos o absenteísmo, promovemos qualidade de vida”, explica Dr. Loreto.

De acordo com o médico, os principais problemas de saúde identificados nesse mapeamento são: doenças cardiovasculares e hábitos a serem corrigidos relacionados a padrões alimentares, nível de atividade física, sono e tabagismo. “Com base nesses dados, definimos um plano de ação de saúde com uma equipe”, esclarece, acrescentando os números: “atualmente, temos 2.569 colaboradores participantes, representando 62% de adesão entre as 29 empresas que fazem parte do programa”.

Dr. Loreto ainda ressalta pontos importantes para a expansão das discussões sobre saúde física e emocional nas empresas: “ainda que nosso programa seja in company, temos dois desafios principais: espaço dedicado para a conversa com o especialista e manter a disciplina das frequências. Isso ocorre porque a questão de problemas de saúde física e psicológica no trabalho ainda é vista de forma muito incipiente no Brasil, e nossa missão é repercutir sua importância para que todos saiam ganhando: a empresa, combatendo o absenteísmo, e o colaborador, que ganha qualidade de vida”, acrescenta Dr. Loreto.

Fonte: Saúde Business - 01/11/2018


Veja mais notícias acerca do assunto:
Oficina capacita operadoras para cuidados com a depressão
Estudo revela que 35% dos casos de demência são evitáveis


Data da notícia: 05/11/2018