Sistema de saúde deveria pagar por resultado, e não por procedimento

Hospitais e médicos são remunerados pelos planos de saúde ou pelo governo de acordo com os procedimentos realizados, na maioria dos países. Se o paciente de fato melhorou com o tratamento realizado, é outra história. Omar Ishrak é presidente mundial da Medtronic, uma empresa com faturamento anual de 29 milhões de dólares e uma das maiores fabricantes de dispositivos médicos do planeta. Para ele, esse modelo precisa ser repensado porque incentiva o desperdício e aumenta os custos.
 
 
Num país como o Brasil, o senhor acha possível fornecer um serviço de saúde de qualidade e ao mesmo tempo acessível?
 
O Brasil não é o único país que enfrenta esse problema. Na verdade, nenhum país do mundo tem acesso igualitário à saúde atualmente. Mas, antes de pensar no custo, é necessário ter meios para fazer o diagnóstico correto. É preciso ter hospitais e clínicas. O custo não é o maior problema.
 
Por que não?
 
Dou um exemplo: posso doar marca-passos modernos a uma vila no interior e ninguém usá-los. Porque não há hospital. Não há médicos. É claro que as terapias mais avançadas sempre serão feitas nos grandes centros. Mas a diferença hoje é grande demais. Alguns tratamentos que são comuns há décadas em países ricos simplesmente não estão disponíveis em outras regiões.
 
Há alguma política que poderia ajudar a resolver o problema?
 
Precisamos de um modelo que seja mais focado em alcançar resultados. O que temos hoje é um sistema em que os pacientes pagam pelos serviços que utilizam, independentemente do resultado. Minha sugestão é esta: buscar um modelo em que a remuneração esteja ligada ao valor que é gerado para o paciente.
 
Mas, e nos casos em que o paciente não pode ser curado? Como remunerar os médicos, hospitais e planos de saúde?
 
Nesses casos, é importante ter uma compreensão clara sobre se o resultado pode de fato ser alterado ou não. Dependendo do estágio da doença, não há tratamento disponível. É melhor administrar a situação de uma maneira menos custosa, o que não é feito hoje. Não há incentivo para manter os custos baixos.
 
O modelo que o senhor propõe é financeiramente viável?
 
É a única coisa que é viável. Se alguém paga por um serviço de saúde é porque quer melhorar. Do jeito que está hoje, o sistema de saúde está se tornando — e vai se tornar cada vez mais — um fardo, porque há muito desperdício de dinheiro.
 
Como resolver esses problemas na prática?
 
Deixe-me dar um exemplo. Existe um tipo de infarto do miocárdio chamado Stemi, na sigla em inglês. Começa com uma dor no peito e, se o paciente não procurar tratamento com rapidez, pode ter complicações e morrer. Existem poucos hospitais especializados em tratar essa doença. O que fizemos foi escolher algumas clínicas e ensinamos as equipes a diagnosticá-la. Se der positivo, o paciente será encaminhado ao hospital especializado.
 
Onde estão essas clínicas? Aqui no Brasil?
 


Data da notícia: 16/04/2018

Fonte: Clique aqui e veja a notícia na integra