Franquia em questão

Franquia em questão

 

Seguindo os passos de resoluções normativas anteriores, o mercado aguarda ansiosamente a publicação de nova norma sobre os mecanismos de regulação, mais precisamente desde 2006, ano que foi publicada a primeira a Consulta Pública – Mecanismos Financeiros de Regulação - Coparticipação e Franquia.

Como podemos observar, mais de 10 anos se passaram e as operadoras foram adotando práticas  de comercialização, utilizando mecanismos financeiros de regulação que se limitavam a diferença do momento e a quem seria realizado o pagamento, ou seja, se franquia no ato da utilização do recurso assistencial diretamente ao prestador, se coparticipação, após a utilização e para a operadora.

A nova proposta trará um grande movimento no mercado de saúde suplementar e todos os atores deverão desde já planejar, organizar e esquematizar para sair na frente, cumprir com as regras que serão estabelecidas e sair na frente da concorrência.

Elenco abaixo algumas ações que serão fundamentais a serem executadas, independente do rigor da norma:

ØParametrização do sistema da operadora. Esse talvez seja o mais custoso e demorado. Nossa experiência mostra que muitos sistemas não são robustos e/ou flexíveis o suficiente.

ØDesenho e precificação de novos produtos considerando as regras dos mecanismos a serem consideradas.

ØRevisão do portfólio de produtos. Aqui é importante ressaltar que é possível que os produtos coparticipativos mudem de status de produto mais acessível, se tornando um produto intermediário e em muitos casos menos atrativos em relação ao produto com franquia que muito provavelmente se tornará o produto mais competitivo.

ØRenegociação com os prestadores de serviços assistenciais. Serão necessários novos acordos, pois, diversos procedimentos não serão suscetíveis ao mecanismo de regulação e vejo aí a oportunidade de negociação de pacotes e até mesmo novos acordos de remuneração de prestadores.

ØCriação do simulador de pré utilização. Nesse simulador o beneficiário terá acesso a informação do valor de coparticipação e esse a acesso será influenciador na decisão do recurso assistencial a ser utilizado. Reforço aqui o item descrito acima.

ØCapacitação da equipe de vendas. A nova proposta trará um novo modelo para o mercado de saúde suplementar. O modelo atual de franquia sai do mercado e traz o que hoje é praticado no seguro de automóveis por exemplo. Será necessária a capacitação da equipe interna e externa de vendas, para que os novos produtos tenham uma rápida aderência.

ØElaboração de novos contratos. Com a nova regra será necessária a elaboração de novas cláusulas contratuais.

Serão grandes os desafios, talvez algumas surpresas e a certeza de muito trabalho pela frente. Essas novas regras sacudirão o mercado, movimentarão as operadoras e trarão mais opções de escolhas para o beneficiário.


Lenisa Spinola
Consultoria
Strategy Consultoria Atuarial e Regulatória


Data do artigo: 17/05/2018